sexta-feira, 17 de junho de 2011

Clichê do Momento

Um assunto "da moda" tem me deixado bastante irritada.
Preconceito.
Minha insatisfação nasce de perceber, em meio a todo esse chororô, uma grande hipocrisia. Sim, porque todo mundo é preconceituoso.

E isso é... normal.

É normal na medida que tudo que é instintivo é natural, embora não seja desejável. E é instintivo porque nosso "trabalho" evolutivo visa a prevalência da nossa própria genética. Isso se chama seleção por afinidade, que é normalmente feita entre parentes, mas também se estende a indivíduos semelhantes, nos quais reconhecemos algum tipo de "parentesco", seja ele físico ou comportamental.
A razão molda "motivos" para nossos preconceitos, porque a razão vive tentando achar explicação para sentimentos que brotam naturalmente. Logicamente, estas explicações beiram o esdrúxulo e o bizarro, e todo aquele que já parou para olhar pros seus preconceitos com distanciamento se deu conta disso.
Eu, por exemplo, tenho preconceito com quem... usa calça quadriculada.

?!

Pois, nem eu entendo.
"Algo" me diz que a criatura que usa tal peça só pode ser imbecil.
E eu juro que não sei de onde isso vem, e mesmo que eu entenda que não existe fundamento nem teórico nem prático que sustente minha antipatia, não consigo deixar de senti-la.
Muito embora a sensação não possa ser apagada, a maneira como ela se expressa pode (e deve) ser controlada, porque é impossível que todos os indivíduos que usam calça quadriculada sejam imbecis, e se eu agir como se fossem, a imbecil no caso serei eu.

Mas voltando ao tema, fico irritada ao perceber que os indivíduos que fazem parte de uma minoria perseguida qualquer, acham que o preconceito só existe fora deles. Muito se fala do preconceito que o nordestino sofre, mas vários deles fazem piada com a sexualidade dos gaúchos. Mas por que ninguém defende os gaúchos nestes casos? Por que eles não fazem parte do grupo coitadinho clássico?
Judeus reclamam de preconceito, mas acham que o deles em relação aos gentios (goy) é justificável.
Negros reclamam de racismo, mas os dos EUA discriminam latinos.
Gays não gostam de travestis, e por aí vai...
Ou seja, essa questão nunca terá solução enquanto cada INDIVÍDUO não identificar o próprio mecanismo de seleção por afinidade, sem culpas, porque, como disse acima, não há maldade no processo já que o mesmo é movido por instinto. Uma vez identificado, há a possibilidade de combatê-lo em si mesmo, não apenas socialmente - que é o que vem acontecendo hoje, onde todo mundo virou juiz de piada - o que só contribui para formar não um povo ausente de preconceitos, mas sim uma legião de hipócritas.